Werner Carlos Augusto Bokermann (1929-1995)

Em 6 de novembro de 2012

Uma vida de descobertas

— Por Marcelo Bokermann* —

Werner C. A. Bokermann, filho de pais alemães, nasceu no dia 04 de julho de 1929 na cidade de Botucatu, São Paulo. Ainda criança, tinha um grande fascínio pela natureza, observando e colecionando diversos grupos de animais.

Aos 17 anos de idade, conseguiu um emprego de servente de limpeza no Museu de Zoologia da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, hoje Museu de Zoologia da USP. Após o horário de trabalho, aproveitava para apreciar as coleções do museu, bem como para se beneficiar do contato com os pesquisadores daquela instituição.

Com menos de 20 anos de idade já acompanhava a equipe do museu em diversas expedições científicas. Posteriormente, assumiu o cargo de técnico de laboratório, ficando encarregado de organizar a coleção de anfíbios, grupo ao qual se dedicou no começo de sua jornada como pesquisador.

 

 

Devido às grandes dificuldades financeiras por que passou durante boa parte de sua vida, só pôde completar seu curso superior com quase 50 anos de idade, o que o obrigou a se tornar um autodidata por excelência. Este fato contribuiu para que desenvolvesse ideias muito próprias e originais a respeito da biodiversidade de nosso país. Werner observava a natureza de maneira ampla, bem ao estilo dos naturalistas clássicos, como Darwin, Wallace e outros.

 

Sua vida foi repleta de descobertas: 68 novas espécies de anfíbios, 43 de coleópteros, 114 trabalhos publicados em Zoologia. Suas coleções particulares também merecem destaque: a herpetológica, com cerca de 60 mil exemplares, possuía vários tipos, principalmente das espécies que descrevera; e a entomológica, com seis mil exemplares. Ambas estão hoje depositadas no Museu de Zoologia do Estado de São Paulo. Também montou uma coleção ornitológica com cinco mil exemplares, a qual se encontra tombada no Museu de História Natural de Taubaté.

Mais de uma dúzia de espécies, entre peixes, anfíbios, mamíferos e aves foram descritas por outros pesquisadores, e levam seu nome como homenagem. Sua vida há de ser exemplo a inúmeras gerações, principalmente aos que se dedicam com amor e resignação ao trabalho a favor da humanidade por meio das Ciências Naturais.

 

Gentilmente cedida por Ciro Albano.

Soldadinho-do-araripe, Antilophia bokermanni, piprídeo endêmico do Ceará, batizado em homenagem ao naturalista Werner Bokermann. A espécie é classificada como “criticamente em perigo”. Foto: Ciro Albano.

 

 

 

Bokermannohyla martinsi é uma das poucas espécies de vertebrados endêmicos do Quadrilátero Ferrífero. Esta perereca, que foi descrita em 1964 pelo naturalista Werner Bokermann, com base em exemplares coletados na Serra do Caraça, habita matas de galeria de riachos encachoeirados de água limpa e oxigenada. Atualmente, a perda de seu hábitat devido à expansão urbana e às atividades de mineração são as principais ameaças à sobrevivência da espécie. Foto e legenda: Felipe Leite

 

* Marcelo Bokermann, filho de Werner, é biólogo e educador ambiental do SESC São Paulo.



  • Felipe

    Bacana demais, um exemplo a ser seguido hoje em dia!

  • Pingback: Bem vindo ao “Papo de Naturalista”, o blog da Bocaina | Bocaina

  • Tulio

    Realmente alguém muito importante na história da biologia brasileira. Muito boa a matéria, parabéns.

  • http://www.facebook.com/pedro.taucce Pedro Taucce

    Esse é ídolo! Não só meu, mas também da maioria dos herpetólogos em atividade, experientes ou novatos! Parabéns pela iniciativa de homenagear alguém tão importante para a zoologia brasileira. Uma pessoa brilhante com uma história de vida tão bonita merece uma biografia! Abraços.

  • http://www.facebook.com/vinicius.cerqueira.775 Vinicius Cerqueira

    Agradecemos ao Marcelo Bokermann, que nos brindou com o texto e as fotos de Werner nesta postagem, e a Ciro Albano (NE Brazil Birding) e Felipe Leite, pelas fotos de espécies batizadas em homenagem ao grande naturalista.

  • http://www.facebook.com/ivan.magalhaes.399 Ivan Magalhães

    Legal demais. É muito interessante como alguns desses taxonomistas mais antigos não tiveram uma educação formal em biologia e mesmo assim conseguiram ser tão importantes para o avanço dessa ciência no Brasil… Texto muito bom.

  • http://www.facebook.com/vinicius.cerqueira.775 Vinicius Cerqueira

    Página do Werner no Facebook: https://www.facebook.com/WernerBokermann

  • Pedro Barbosa

    Muito legal mesmo galera!!! Não conhecia nada sobre ele. E conhecimento NUNCA é demais!!! Show de bola!

  • http://www.facebook.com/rui.m.oliveira.71 Rui Manfredi Oliveira

    Caro Marcelo:

    Sou Rui, seu primo distante (Filho de Filemor, Irmão de sua veneranda Mãe Flora) e sempre fui fã incondicional do seu Pai Werner.

    Lembro-me de que, quando guri, – isso já faz mais de 55 anos!!! – seu
    Pai fazia ensaios fotográficos na casa da Tia Floripes, clicando os primos Marcos, Ivan, Fernando, Paulo, Heloisa, Yara, Eliana e eu…ainda tenho algumas dessas fotos…
    Seu pai, além de toda sapiência na Zoologia, tinha um excelente dom na fotografia…
    Vez ou outra, navegando na Web, sempre busco artigos sobre o Tio Werner. Dessa vez, encontrei o seu (um tesouro!!!). Parabéns por manter a memória desse Grande Brasileiro e estimado Tio.
    Abraço do Rui.

    • Vinicius

      Bom dia, Rui,
      Muito obrigado pelo comentário!
      Atenciosamente,
      Equipe Bocaina

  • Pingback: Elementar, meu caro Lineu… | Bocaina

  • abimario cecilio de souza

    Trabalhei com o Senhor Werner na Fundação Parque Zoológico de São Paulo, no período de 1985 a 1992. Nesse período eu era técnico de laboratório da Divisão de Veterinária e ele era o Chefe do setor de aves. Durante muito tempo da minha vida sonhei em ser biólogo, mas infelizmente não consegui. Hoje trabalho na área de TI e sempre lembrarei com muito respeito e admiração dessa pessoa formidável.
    Saudades ….