Curso Práticas de Campo: Mamíferos, Anuros, Aves e Insetos



A área ambiental é reconhecidamente diversa, e abriga diferentes campos de atuação profissional. Multidisciplinar por natureza, seu escopo abrange áreas do conhecimento tais como Biologia, Geografia, Geologia, Sociologia e Engenharia Ambiental. Profissionais de todas essas áreas são requisitados no mercado de trabalho nos setores de conservação e licenciamento ambiental.

Na graduação, a demanda por trabalhos de campo com vivências mais intensas in loco é geralmente defasada em disciplinas como Ecologia, Zoologia e Botânica. O mais comum é que tais experiências de campo sejam raras e realizadas apenas fora do âmbito curricular, seja em estágios, iniciação científica ou trabalhos paralelos. Portanto, a condução, esclarecimento e inclusão dos alunos nas práticas de campo no âmbito acadêmico podem facilitar e orientar seu desenvolvimento na sequência da graduação e na vida profissional futura.

Para marcar o lançamento oficial do site da Bocaina, estamos oferecendo, com um preço muito especial, o curso Práticas de campo: Aves, Anuros, Mamíferos e Insetos. O curso ocorrerá nos dias 8 e 9 de junho de 2013, na RPPN Santuário do Caraça.

Neste curso, o foco está voltado para a fauna. O aluno irá se familiarizar com as principais técnicas de investigação biológica em campo, com uma vivência nas disciplinas hoje cruciais para projetos de conservação, sendo aquelas que mais recebem recursos, geram o maior volume de publicações em seu campo, e que são requisitadas em virtualmente todos os estudos realizados no âmbito do licenciamento ambiental.

Para isso, a Bocaina está oferecendo uma programação de dois dias, com foco na prática, a ser conduzida por sete profissionais com experiência de mais de cinco anos na aplicação de cursos de campo: Felipe do Carmo, MSc; Lucas Perillo, MSc; Vinicius Rodrigues, Ivan Monteiro, Rafael Ferrari, Bernardo Leopoldo e Paulo Durães, MSc. Leia os depoimentos de quem já fez cursos conosco, e conheça também o currículo dos ministrantes. Aproveite e conheça mais sobre a Bocaina, navegando por nosso site!

As inscrições para o curso estão abertas até o dia 31 de maio. Garanta já a sua vaga, realizando aqui sua inscrição! Se tiver dúvidas, sinta-se à vontade, e deixe seu comentário, ou contate-nos pelo site ou pelas redes sociais.

 

* * * * *

 

As vagas para este curso foram totalmente preenchidas, e as inscrições estão encerradas.

Se você tem interesse neste curso, faça aqui sua inscrição para a segunda edição.

The birds of Serra do Cipó

Hyacinth Visorbearer, Augastes scutatus. Foto: Guilherme H.S. Freitas

The birds of Serra do Cipó

Our most common route is done in two days, with two overnight stays. It allows spotting most endemic species from the highlands of Eastern Brazil. It takes place at Serra do Cipó and its surroundings, where the visitor finds many pleasant landscapes, and which is by far the best area for birding in Minas Gerais.

We will take care of your transportation from the International Airport of Belo Horizonte to the places of interest and back to the airport at the end of the birding tour. You can choose the kind of accommodation. Main meals and transport between birding places are included.

Please see below an example of routes available:

 

Day 0

Until 18h      Departure from Belo Horizonte | International Airport

20h              Arrival. Dinner and overnight at lodge.

 

Day 1

05h  Birding

Focus: Hyacinth Visorbearer Augastes scutatus, the newly discovered Cipo Cinclodes Cinclodes espinhacensis, Cipo Canastero Asthenes luizae, Gray-backed Tachuri Polystictus superciliaris, Pale-throated Serra-Finch Embernagra longicauda. Others include: Velvety Black-Tyrant Knipolegus nigerrimus

12h  Lunch

13h  Departure

14h30  Birding

Focus: Chestnut-capped Foliage-gleaner Hylocryptus rectirostris, Helmeted Manakin Antilophia galeata.  Others include: Rufous-fronted Thornbird Phacellodomus rufifrons, Streamer-tailed Tyrant Gubernetes yetapa, Gray-headed Tanager Lanio penicillatus

19h  Dinner

21h  Overnight at lodge

 

Day 2

04h30  Departure from lodge

05h30  Birding

Focus: Marsh Tapaculo Scytalopus iraiensis, Sharp-tailed Tyrant Culicivora caudacuta,   Lesser Grass-Finch Emberizoides ypiranganus, Long-tailed Reed Finch Donacospiza albifrons.   Others include: Large-tailed Antshrike Mackenziaena leachii, Yellow-rumped Marshbird Pseudoleistes guirahuro, Rock Tapaculo Scytalopus petrophilus

10h    Birding

Focus: Such’s Antthrush Chamaeza meruloides, Ochre-rumped Antbird Drymophila   ochropyga, Robust Woodpecker Campephilus robustus, Surucua Trogon Trogon surrucura

13h  Lunch

14h30  Birding

Focus: Cinereous Warbling-Finch Poospiza cinerea, Blue Finch Porphyrospiza caerulescens, Black-throated Saltator Saltatricula atricollis. Others include: White-rumped Tanager Cypsnagra hirundinacea, Horned Sungem Heliactin bilophus, Checkered Woodpecker Veniliornis mixtus, Rufous-winged Antshrike Thamnophilus torquatus

18h  Return to Belo Horizonte/International Airport

I want to make this itinerary


Pedreiro-do-espinhaço

Pedreiro-do-espinhaço, Cinclodes espinhacensis. Foto: G.H.S. Freitas

 

Itinerary variations

1,5 field day, 1 overnight

3 field days, 3 overnights

 

If your schedule and goals do not fit the itinerary described above, there is no reason for concern. Please check below some possibilities that we can offer you at Serra do Cipó.

Contact us, and tell us your expectations. We are looking forward to plan the best route for you.

 

Hotspots for birding at Serra do Cipó, grouped by biome

 

Cerrado

➵ Rufous-fronted Thornbird Phacellodomus rufifrons, Chestnut-capped Foliage-gleaner Hylocryptus rectirostris, Streamed-tailed Tyrant Gubernetes yetapa, Helmeted Manakin Antilophia galeata, Horned Sungem Heliactin bilophus, Firewood Gatherer Anumbius annumbi, Blue Finch Porphyrospiza caerulescens, Cinereous Warbling-Finch Poospiza cinerea, White-rumped Tanager Cypsnagra hirundinacea, Hepatic Tanager Piranga flava

✔ Difficulty: easy

★ Published species list: Rodrigues et al. 2005

***

 

Pale-throated Serra Finch, Embernagra longicauda. Foto: Guilherme H.S. Freitas

 

Campo Rupestre + Cerrado

➵ Horned Sungem Heliactin bilophus, Firewood Gatherer Anumbius annumbi, possibility of the endemics to the mountains of eastern Brazil: Hyacinth Visosbearer Augastes scutatus, Cipo Cinclodes Cinclodes espinhacensis, Cipo Canastero Asthenes luizae, Gray-backed Tachuri Polystictus superciliaris, Pale-throated Serra-Finch Embernagra longicauda

✔ Difficulty: medium-hard

★ Published species list: Costa & Rodrigues 2012

 

Sharp-tailed Tyrant, Culicivora caudacuta. Foto: Guilherme H.S. Freitas

 

Campo Rupestre + Atlantic Rainforest

➵ Endemics to the mountains of Eastern Brazil + Rufous-winged Antwren Herpsilochmus rufimarginatus and White-shouldered Fire-Eye Pyriglena leucoptera, Rufous-breasted Leaftosser Sclerurus scansor, Marsh Tapaculo Scytalopus iraiensis, Lesser Grass-Finch Emberizoides ypiranganus, Long-tailed Reed Finch Donacospiza albifrons, Such’s Antthrush Chamaeza meruloides, Ochre-rumped Antbird Drymophila ochropyga, Large-tailed Antshrike Mackenziaena leachii, Robust Woodpecker Campephilus robustus, Gray-breasted Sabrewing Campylopterus largipennis, Surucua Trogon Trogon surrucura, Rock Tapaculo Scytalopus petrophilus

✔ Difficulty: medium-hard

★ Published species list: Rodrigues et al. 2011

 


Request a quote for the itinerary of your choice

Werner Carlos Augusto Bokermann (1929-1995)

Uma vida de descobertas

— Por Marcelo Bokermann* —

Werner C. A. Bokermann, filho de pais alemães, nasceu no dia 04 de julho de 1929 na cidade de Botucatu, São Paulo. Ainda criança, tinha um grande fascínio pela natureza, observando e colecionando diversos grupos de animais.

Aos 17 anos de idade, conseguiu um emprego de servente de limpeza no Museu de Zoologia da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, hoje Museu de Zoologia da USP. Após o horário de trabalho, aproveitava para apreciar as coleções do museu, bem como para se beneficiar do contato com os pesquisadores daquela instituição.

Com menos de 20 anos de idade já acompanhava a equipe do museu em diversas expedições científicas. Posteriormente, assumiu o cargo de técnico de laboratório, ficando encarregado de organizar a coleção de anfíbios, grupo ao qual se dedicou no começo de sua jornada como pesquisador.

 

 

Devido às grandes dificuldades financeiras por que passou durante boa parte de sua vida, só pôde completar seu curso superior com quase 50 anos de idade, o que o obrigou a se tornar um autodidata por excelência. Este fato contribuiu para que desenvolvesse ideias muito próprias e originais a respeito da biodiversidade de nosso país. Werner observava a natureza de maneira ampla, bem ao estilo dos naturalistas clássicos, como Darwin, Wallace e outros.

 

Sua vida foi repleta de descobertas: 68 novas espécies de anfíbios, 43 de coleópteros, 114 trabalhos publicados em Zoologia. Suas coleções particulares também merecem destaque: a herpetológica, com cerca de 60 mil exemplares, possuía vários tipos, principalmente das espécies que descrevera; e a entomológica, com seis mil exemplares. Ambas estão hoje depositadas no Museu de Zoologia do Estado de São Paulo. Também montou uma coleção ornitológica com cinco mil exemplares, a qual se encontra tombada no Museu de História Natural de Taubaté.

Mais de uma dúzia de espécies, entre peixes, anfíbios, mamíferos e aves foram descritas por outros pesquisadores, e levam seu nome como homenagem. Sua vida há de ser exemplo a inúmeras gerações, principalmente aos que se dedicam com amor e resignação ao trabalho a favor da humanidade por meio das Ciências Naturais.

 

Gentilmente cedida por Ciro Albano.

Soldadinho-do-araripe, Antilophia bokermanni, piprídeo endêmico do Ceará, batizado em homenagem ao naturalista Werner Bokermann. A espécie é classificada como “criticamente em perigo”. Foto: Ciro Albano.

 

 

 

Bokermannohyla martinsi é uma das poucas espécies de vertebrados endêmicos do Quadrilátero Ferrífero. Esta perereca, que foi descrita em 1964 pelo naturalista Werner Bokermann, com base em exemplares coletados na Serra do Caraça, habita matas de galeria de riachos encachoeirados de água limpa e oxigenada. Atualmente, a perda de seu hábitat devido à expansão urbana e às atividades de mineração são as principais ameaças à sobrevivência da espécie. Foto e legenda: Felipe Leite

 

* Marcelo Bokermann, filho de Werner, é biólogo e educador ambiental do SESC São Paulo.

Aves da Serra do Cipó

Beija-flor-de-gravata-verde, Augastes scutatus. Foto: Guilherme H.S. Freitas

Aves da Serra do Cipó

Nosso principal roteiro tem duração de dois dias, com duas pernoites, e permite a observação de espécies endêmicas das montanhas do leste brasileiro.

Este roteiro é desenvolvido no Parque Nacional da Serra do Cipó e imediações, onde o visitante encontra paisagens inesquecíveis. O local é considerado por muitos como o melhor para observação de aves em Minas Gerais.

Nós podemos buscar você no aeroporto internacional ou em Belo Horizonte, e levar até o local das atividades de campo. Você pode optar pelo tipo de acomodação e de refeições, e nós cuidamos dos traslados no local. Assim, sobra mais tempo para você curtir as aves das montanhas de Minas Gerais.

Confira abaixo um exemplo de roteiro na Serra do Cipó:

 

Roteiro Básico (2 dias de campo, 2 pernoites)

Sexta-feira

Até 22H Chegada, Jantar e Pernoite em pousada

 

Sábado

05H Endêmicos das montanhas do leste do Brasil – Augastes scutatus, Cinclodes espinhacensis, Asthenes luizae, Polystictus superciliaris, Embernagra longicauda.Outras: Knipolegus nigerrimus
12H Almoço
13H Partida
14H Hylocryptus rectirostris, Antilophia galeata  Outras:  Phacellodomus rufifrons, Gubernetes yetapa, Lanio penicillatus
19H Jantar
21H Pernoite em pousada

 

Domingo

 

04H30 Partida da pousada
05H30 Scytalopus iraiensis, Culicivora caudacuta, Emberizoides ypiranganus, Donacospiza albifrons     Outras: Mackenziaena leachii, Pseudoleistes guirahuro, Scytalopus petrophilus
10H Chamaeza meruloides, Drymophila ochropyga, Campephilus robustus, Trogon surrucura
13H Almoço
14H30 Poospiza cinerea, Porphyrospiza caerulescens, Saltatricula atricollis  Outras: Cypsnagra hirundinacea, Heliactin bilophus,  Veniliornis mixtus
18H Retorno para BH/Confins

 

Quero fazer este roteiro


Pedreiro-do-espinhaço

Pedreiro-do-espinhaço, Cinclodes espinhacensis. Foto: Guilherme H.S. Freitas

 

Se seu tempo não se ajusta ao roteiro proposto, não se preocupe. Confira abaixo algumas possibilidades que a região da Serra do Cipó pode lhe oferecer.

Entre em contato conosco, e conte-nos sobre suas expectativas. Teremos prazer em desenvolver o melhor roteiro para você.

 

Pontos de interesse para observação na Serra do Cipó (MG), agrupados por bioma

 

Cerrado

Phacellodomus rufifrons, Hylocryptus rectirostris, Gubernetes yetapa, Antilophia galeata, Heliactin bilophus, Anumbius annumbi, Porphyrospiza caerulescens, Poospiza cinerea, Cypsnagra hirundinacea, Piranga flava

Dificuldade: fácil

Lista publicada de espécies: Rodrigues et al. 2005

 

João-cipó, Asthenes luizae. Foto: Guilherme H.S. Freitas


Campo Rupestre + Cerrado

Heliactin bilophus, Anumbius annumbi, possibilidade dos endêmicos de montanhas do leste do Brasil: Augastes scutatus, Cinclodes espinhacensis, Asthenes luizae, Polystictus superciliaris, Embernagra longicauda.

Dificuldade: média-difícil

Lista publicada de espécies: Costa & Rodrigues, 2012

Papa-moscas-do-campo, Culicivora caudacuta. Foto: Guilherme H.S. Freitas


Campo Rupestre + Mata Atlântica

Todos os endêmicos + Herpsilochmus rufimarginatus, Pyriglena leucopteraSclerurus scansor, Scytalopus iraiensis, Emberizoides ypiranganus, Donacospiza albifrons, Chamaeza meruloides, Drymophila ochropyga, Mackenziaena leachii, Campephilus robustus, Campylopterus largipennis, Trogon surrucura, Scytalopus petrophilus

Dificuldade: média-difícil

 

Rabo-mole-da-serra, Embernagra longicauda. Foto: Guilherme H.S. Freitas


Solicite um orçamento para o roteiro de sua escolha

Observação de aves

Observação de aves nas montanhas de Minas Gerais    |    English version

Nós organizamos expedições para grupos ou para observadores individuais em visita a Minas Gerais.

São mais de 750 espécies de aves registradas no estado, com dezenas de espécies endêmicas dos ecossistemas dos Campos Rupestres, Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, com destaque para as aves dos topos de montanhas.

Um de nossos destinos mais recomendados é a Serra do Cipó, onde o observador tem a oportunidade de encontrar as três espécies de aves endêmicas da porção Sul da Cadeia do Espinhaço: o João-Cipó, o Beija-flor-de-gravata-verde, e o recém descoberto Pedreiro-do-Espinhaço!

Conheça os pontos de interesse para observação de aves na Serra do Cipó, onde encontram-se três biomas brasileiros, e que inclui endemismos de todos eles!

Nós organizamos viagens de birdwatching para outros dois destinos muito procurados em Minas Gerais: a RPPN Santuário do Caraça, local que concentra metade das espécies registradas no estado, e o Parque Nacional da Serra da Canastra, nas cabeceiras do Rio São Francisco.

Se você está planejando visitar Minas Gerais, a lazer ou a negócios, e gostaria de fazer uma viagem guiada para alguns dos melhores pontos para observação de aves em nosso estado, por favor, contate-nos.